sexta-feira, 21 de julho de 2017

Luz e escuridão


Não há fronteiras que separem os medos e as dores da alma...
A cada passo em direção a eternidade
Se abrem caminhos internos...

Entre a luz e a escuridão moram as escolhas... e o silêncio eterno dos sábios...
As paixões distorcem olares serenos e entorpecem os sentidos...
O amor alimenta a alma e mostra a verdade sobre todas as coisas...
Quando se tem amor próprio...
Atrai-se amor e bem viver em tudo...
Quando não... Há apenas miséria e dor...

Cleber Otavio.

domingo, 9 de julho de 2017

Sozinho...


Todos os meus sentidos te procuram...
Mas não te encontram
Então Peregrino pelas muitas estradas
Situadas entre os apelos sagrados ou mundanos
Que encontro pelos caminhos e descaminhos de um andar solitário...

A saudade me faz derramar lágrimas ao cantar nossas canções...
Me faz curar tua falta em falos falsos ou em travesseiros sinuosos como teu corpo...
Me perco entre a realidade e a fantasia e por vezes me perco de mim na esperança de te encontrar...

Mas há um imenso espaço que nos separa...
Algo que te faz inalcansável como o sentimento que nutro...
Então sigo sozinho, na dor imensa e inconstante que tua falta provoca em minha alma...

Cleber Otavio

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Mar de Desejos

Caminho num grande muro...
Situado entre a realidade que me ofereces
E o mar de desejos que nossos inconscientes despejam...

Poderia ser um gramado castanho...
Mas é o cheiro do castanho dos seus cabelos
Que me inebria...

Poderiam ser as montanhas que se perdem no longínquo Horizonte mas...
É nos vales ingênuos e íngremes do teu corpo que meus sonhos se perdem...

Poderia ser qualquer textura
Poderia ser qualquer língua
Poderia ser qualquer corpo...
Poderia ser qualquer um...
Mas é você...

Eu poderia amar qualquer um
Alguém que não fizesse em pedaços meu peito
Alguém que não tivesse vergonha de si
Alguém que se jogasse nos vales da paixão sem medo...
Mas minha alma desgraçadamente sempre esbarra na tua...

Como se os caminhos que percorro sempre levassem a ti...
Como se fosse uma maldição a me provar...
Como se fosse uma ferida que se abre sempre que me tocas...

Mais uma vez meu ferimento é tão grande...
Que não posso mais ser tocado...
Então me escondo do sentir...
E na pouca razão que me sobra
Me curo...
Até te encontrar...
Para Mais uma vez me despedaçar ao te amar...

Cleber Otavio.

domingo, 11 de junho de 2017

Eternidade Etéria

Tua partida é como uma navalha
Que passa pelo meu peito...
Tua presença é ainda sentida nos meus cobertores...
Não há espaço entre a saudade e às lembranças...
Não há nada em meu quarto
que não tenham teu cheiro
E o gosto dos teus lábios...

Eu já não me lembrava quem eu me tornava
Quando me sentia tocado, amado, protegido por alguém...
Não me lembrava da sensação de voltar pra casa e cair dentro de um abraço caloroso...

Eu já não lembro quem pintou o céu de azul
Ou mesmo meu nome nesta floresta imensa chamada paixão...
Por vezes caminho sobre o mar
Ou sobre as águas turvas do inconsciente das nuvens...

Por fim alguém me chamou...
O calor do teu corpo sessou.
E tudo que havia de mais lindo desmoronou sobre nossas cabeças...

Então sigo sozinho na esperança de me perder na eternidade etéria. Do ser que me torno quando contigo estou..

Cleber Otavio.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Quando contigo estou


Os lugares que vou
Quando contigo estou...
Há muito estavam abandonados...

A relva a tomar conta dos caminhos
As plantas e as flores cresciam tristes
Sem amor, sem vida...

Ao passarmos juntos todas as árvores se alegraram, os frutos,as flores desabrocham novamente...
Destemidas e lindas... inspiradas pelo belo amanhecer de nossos abraços...

Nossos beijos despertaram o vôo dos pássaros
Acordou a poesia adormecida nos felinos e como néctar e ambrosia adoçou a visão dos deuses sobre a humanidade...

Oh... Deivid...

Se eu pudesse transformar tudo que sinto em água, quantos oceanos teríamos que atravessar?
Se tudo que sinto fosse fogo, apenas o pai Sol me entenderia...
Se tudo que sinto fosse transformado em paz... a guerra jamais voltaria a existir...

Então apenas sinto
Apenas vivo isso tudo na gratidão imensa de poder te tocar neste dia...
Na imensidão tórrida de uma fé infinita de que tudo só pode dar certo...
Obrigado...

Cleber Otavio

sábado, 27 de maio de 2017

Poesia Matinal

Pela manhã ...
Enquanto as brumas do outono se dissipam
Venho caminhando de longe
E então caio em mim neste mundo...
No ardor de sua pele me faço poesia matinal
Para mais um dia lindamente existir...

Cleber Otavio

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Útero do Mundo

Foi na doçura dos teus lábios que me perdi de mim para me encontrar na ternura insana do mundo dos sonhos...

Por trás dos teus olhos...
Os vales e montanhas escondem um lindo arco íris que esconde uma porta...

Uma porta chamada felicidade que só pode ser aberta quando nossas mãos estão juntas...

Elas sobrevoaram o submundo para anunciar sua chegada...
O vôo inconstante das corujas do pai Hades nos levou de volta ao infinito por instantes...
Montado nessas aves gigantes nos encontramos com a morte...
Para renascer na poesia funesta das canções que revivem o Útero do mundo...

Abençoados pela mãe Lua acordamos abraçados e entorpecidos pelo gozo de simplesmente estar juntos...
Não há espaços para dúvidas neste círculo sagrado...
Apenas certezas e alegrias...

Cleber Otavio.