sexta-feira, 16 de junho de 2017

Mar de Desejos

Caminho num grande muro...
Situado entre a realidade que me ofereces
E o mar de desejos que nossos inconscientes despejam...

Poderia ser um gramado castanho...
Mas é o cheiro do castanho dos seus cabelos
Que me inebria...

Poderiam ser as montanhas que se perdem no longínquo Horizonte mas...
É nos vales ingênuos e íngremes do teu corpo que meus sonhos se perdem...

Poderia ser qualquer textura
Poderia ser qualquer língua
Poderia ser qualquer corpo...
Poderia ser qualquer um...
Mas é você...

Eu poderia amar qualquer um
Alguém que não fizesse em pedaços meu peito
Alguém que não tivesse vergonha de si
Alguém que se jogasse nos vales da paixão sem medo...
Mas minha alma desgraçadamente sempre esbarra na tua...

Como se os caminhos que percorro sempre levassem a ti...
Como se fosse uma maldição a me provar...
Como se fosse uma ferida que se abre sempre que me tocas...

Mais uma vez meu ferimento é tão grande...
Que não posso mais ser tocado...
Então me escondo do sentir...
E na pouca razão que me sobra
Me curo...
Até te encontrar...
Para Mais uma vez me despedaçar ao te amar...

Cleber Otavio.

domingo, 11 de junho de 2017

Eternidade Etéria

Tua partida é como uma navalha
Que passa pelo meu peito...
Tua presença é ainda sentida nos meus cobertores...
Não há espaço entre a saudade e às lembranças...
Não há nada em meu quarto
que não tenham teu cheiro
E o gosto dos teus lábios...

Eu já não me lembrava quem eu me tornava
Quando me sentia tocado, amado, protegido por alguém...
Não me lembrava da sensação de voltar pra casa e cair dentro de um abraço caloroso...

Eu já não lembro quem pintou o céu de azul
Ou mesmo meu nome nesta floresta imensa chamada paixão...
Por vezes caminho sobre o mar
Ou sobre as águas turvas do inconsciente das nuvens...

Por fim alguém me chamou...
O calor do teu corpo sessou.
E tudo que havia de mais lindo desmoronou sobre nossas cabeças...

Então sigo sozinho na esperança de me perder na eternidade etéria. Do ser que me torno quando contigo estou..

Cleber Otavio.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Quando contigo estou


Os lugares que vou
Quando contigo estou...
Há muito estavam abandonados...

A relva a tomar conta dos caminhos
As plantas e as flores cresciam tristes
Sem amor, sem vida...

Ao passarmos juntos todas as árvores se alegraram, os frutos,as flores desabrocham novamente...
Destemidas e lindas... inspiradas pelo belo amanhecer de nossos abraços...

Nossos beijos despertaram o vôo dos pássaros
Acordou a poesia adormecida nos felinos e como néctar e ambrosia adoçou a visão dos deuses sobre a humanidade...

Oh... Deivid...

Se eu pudesse transformar tudo que sinto em água, quantos oceanos teríamos que atravessar?
Se tudo que sinto fosse fogo, apenas o pai Sol me entenderia...
Se tudo que sinto fosse transformado em paz... a guerra jamais voltaria a existir...

Então apenas sinto
Apenas vivo isso tudo na gratidão imensa de poder te tocar neste dia...
Na imensidão tórrida de uma fé infinita de que tudo só pode dar certo...
Obrigado...

Cleber Otavio

sábado, 27 de maio de 2017

Poesia Matinal

Pela manhã ...
Enquanto as brumas do outono se dissipam
Venho caminhando de longe
E então caio em mim neste mundo...
No ardor de sua pele me faço poesia matinal
Para mais um dia lindamente existir...

Cleber Otavio

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Útero do Mundo

Foi na doçura dos teus lábios que me perdi de mim para me encontrar na ternura insana do mundo dos sonhos...

Por trás dos teus olhos...
Os vales e montanhas escondem um lindo arco íris que esconde uma porta...

Uma porta chamada felicidade que só pode ser aberta quando nossas mãos estão juntas...

Elas sobrevoaram o submundo para anunciar sua chegada...
O vôo inconstante das corujas do pai Hades nos levou de volta ao infinito por instantes...
Montado nessas aves gigantes nos encontramos com a morte...
Para renascer na poesia funesta das canções que revivem o Útero do mundo...

Abençoados pela mãe Lua acordamos abraçados e entorpecidos pelo gozo de simplesmente estar juntos...
Não há espaços para dúvidas neste círculo sagrado...
Apenas certezas e alegrias...

Cleber Otavio.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Íntimos Jardins

Pensamento ao longe a plainar sobre a relva...
Orquídeas e margaridas se assanham a sombra do meu vôo e alguns animais se escondem...
A desconfiar de um grande predador...
Inocentes...

Sinto ao longe o pulsar galopante do seu sentir...
Que a mim não chega, pois se perde na imensa trama social que estás preso...
Ora aprisionas te por medo ora por covardia...

Como guerreiro iniciado, não conheço o medo...
Filho das sombras, sou o temor do medo, sou o temor da malícia dos indignos...
Sou o espelho da Deusa e por ele vejo seus olhos a buscar me na imensidão dos teus horizontes internos...

E assim findo mais uma era
mais uma vez o amor perdeu para o temor...
E assim sigo sozinho na companhia de mim e
da busca de encontrar alguém que me receba em seus mais íntimos jardins...

No tapete de estrelas que cobre nossas cabeças revivo dias de glória de Lotlórien...
Bendito seja a magia dos bons guerreiros e que de sua força eu jamais me perca...

Cleber Otavio.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Jogo de Luz


Todo o Sentimento que estava preso se soltou...
Libertou-se
Todas as mentiras vieram à tona
Tudo que estava escondido foi revelado...
Olho pelas Janelas de minha mente
e me assusto com o reflexo de minhas dores, de meus temores
Olho para as as águas obscuras do meu inconsciente e espero apenas monstros...
No entanto Há uma monstruosa força que me guia...
que me faz forte perante meu pior inimigo...
EU...

Não Cresce nada nos campos da solidão,
Não há ninguém lá, além da multidão de cegos que alimentam sua alma com a culpa que lhes ensinaram a cultivar...
Lá os líderes espirituais fingem celibato para ter a confiança das pessoas
outros se dizem mensageiros de um Deus que não tem nada haver nada além de sofrimento por simplesmente existir,
culpa por simplesmente sentir, pois naquele mundo é proibido sentir, é proibido falar dos seus sentimentos, pensamentos ou desejos...
Então todos estes cegos se alimentam da ilusão de viver em uma moral inventada por alguém cujo ego lhe dava a vaidade de se sentir no direito de mudar o mundo e deixa-lo a sua imagem...
Não mais a Imagem da Deusa...

Posso viver em conformidade com qualquer grupo, mas não deixarei de ser eu,
Não matarei, nem violentarei, neste dia por que quando a sombra avança eu não fujo,
Eu Jogo luz em seus domínios, mas isso não me faz melhor, e não me isenta de ter pensamentos e desejos insanos,
Mas não é isso que dirá quem eu sou, e sim quem eu decido ser diante deste Cléber que eu muitas vezes, nem reconheço...
e assim vivo um dia de cada vez, leve, e livre, pois não me joguei na senda do autoconhecimento para continuar escravo...

Cléber Otávio.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Pétalas Brancas


Acordo pela madrugada com sua voz a chamar-me...
Entras porta a dentro e sua ternura me invade...
Como a água que preenche os espaços por onde passa.

Já a tarde... me acordo com cobertores vivos a acariciar-me..
Minhas mãos passeiam pelas curvas do seu corpo e por ele me perco de meus anseios...
Por ele me encontro com minha forma mais bonita em espaços dentro de mim que só vou quando contigo estou...

Canto baixinho no teu ouvido
e adentro as quentes furnas de sua carne...
Nossas respirações aceleram até o êxtase que explode em pétalas brancas...
E mesmo que os compromissos me chamem
fingo que não estou e ali fico, com os meus lábios nos teus...

Enroscado na eternidade bonita do teu ser...
E assim me desfaço...
e assim me refaço...
para mais um dia...

Cléber Otávio.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Poesia Perdida


Ouço o galope do seu cavalo...
Ora ao longe
Ora em minha volta...
as avenidas e ruelas dentro e fora de mim
sempre me levam a felicidade...

As minhas dores se esvaíram como as brumas expostas ao calor do Sol...
Minhas fantasias se perderam nos portões do submundo...
E a lucidez arde minha alma
e invoca para a escuridão da origem
a criança interior que em mim habita..

A Terra do nunca é o Refúgio que vivo quando a paisagem perde as cores...
quando minha alma se distancia da força
e por instantes não reconhece a beleza e a poesia do arco íris que existe no longuínquo horizonte

Apenas mais um dia...
apenas mais um corpo vazio que se perde...
Meu quarto está cheio apenas de mim...
e isto me basta...

Pois quando me permito ser o verbo de minha origem
me encontro comigo e toda a poesia perdida volta a me compor...
Como uma armadura...
e com estas vestes, simplesmente existo,
Simplesmente vivo um dia de cada vez...

Cléber Otávio

sexta-feira, 10 de março de 2017

Existir


Vem de lá...
das profundezas da noite o sentir...
vem de lá
das profundezas do infinito a inspiração para a poesia...
é de lá que viemos...

Da Escuridão disforme da sombra da mãe Lua...
Entre os dentes afiados do dragão
e a beleza Lírica dos felinos
nos encontramos...

Cavalgo...
Ora pelas Nuvens,
ora pelas ondas do mar negro
A correnteza dos rios de nossas vidas
se fará mar novamente em seu ápice...

Então quando as brumas se dissiparem,
tudo volta a pureza de sua origem...
Cada um de nós é verbo do ser supremo
quando nos permitimos existir realmente...
Por fim, o que é existir pra você?

Cléber Otávio.

Passageiro

Passam por aqui
Senhoras,
Crianças,
Rapazes e moças
Casais e até animais...
Passam também aventuras,
Conquistadores,
Sonhos de alegria e de profunda tristeza por trás de cada par de olhos que me observa...
Mas até os minutos galantes e falantes de uma conversa sensual se desfazem ao final da viajem...
Enfim...
Para um motorista que transporta pessoas?
Ah... tudo na vida é passageiro...

Cleber Otávio.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Poetisa da noite



"...Distante dos poemas de morte, admiro o misto de cores na linha do horizonte...
Enquanto a grande poetisa do universo se deita sobre o mar, me inspiro...
e nas trevas da noite me deito em vestes de Lua a fim de banhar me de bênçãos em sua fria Luz...

Cleber Otávio.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Câncer...

Talvez...
Talvez alguns anjos tenham caído
Talvez a verdade se dissolva com o despontar da ignorância...
Talvez os cães do submundo não o assombrem
Mas o protejam do que não podes ver ou tocar...

Talvez sua criança já tenha partido com a senhora dos mortos
E a Luz fria da mãe Lua seja sua única esperança...
Talvez...

Mas um dia logo ali na frente...
Um dia seu pai acreditará em você
Mesmo que não precise disso...
Um dia as línguas que lhe mal disseram
Apodrecerão com câncer...
Um dia...
Um dia o anjo que caiu se levantará em seu nome por sua lealdade
E ao defende-lo na luz verás que o anjo nunca caiu...
Então talvez um dia toda verdade que vem à tona se faça justiça
E tudo ganhe sentido pra todos quando nada mais terá sentido para o câncer que reside em você agora...
A morte lhe assombrará, definharas lentamente em um pesadelo sem fim...
E quando não houver mais carne para definhar...
A escravidão a todo mal que invocaste é o que vai lhe restar...

O mesmo brilho frio que lhe assombrará é o que me da forças...
A mesma maldição que me lançaste irá te alcançar...
A mesma dor que me causaste será o começo de sua despedida deste mundo...
A mesma sacerdotisa que foi a voz de seu ódio estará ao teu lado
No fundo do poço do submundo a esperar pelo julgamento quando a vergonha dos nossos ancestrais as abandonarem no limbo profundo e escuro do inconsciente do mundo...
Por fim quando tudo forem apenas longínquas lembranças torpes...
Sua existência terá sido apenas um mau sonho o qual desejarão jamais ter entrado...
Que a paz seja um sonho distante...
Que a luz que as criou, as destrua...
Que a morte as alcance e as faça definhar, mas bem lentamente...

Que o amor do ser supremo se desdobre em justiça neste dia de hoje
E que isso me traga paz, que seja o fio da espada do grande guerreiro
E que esta espada vista de glorias meu caminho e a vida dos que me seguem...
E que assim seja
Que assim seja
Que assim seja
E que assim se faça...
Jera, Raido, Tyr, Yeoh...
Ovjibaio Psicopompe Ilu

Cleber Otavio.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Amor é Liberdade


Caminho sobre um chão de estrelas
Não por estar no paraíso
Mas porque o céu despencou sobre as nossas cabeças

Ou porque a gravidade misturou as dimensões
e a profundidade do mar está sobre nossas cabeças
e a luzes que antes eram distantes, iluminam nossos rostos...

Os Navios sobrevoam o céu e os Aviões navegam o céu da terra...
Pensei que talvez O ser supremo tenha se distraído por instantes
ou a mãe Terra tenha se revirado em sua dor...

Mas não...
Sou Eu que estou despendurado a muito tempo...
Como Odin ficou para desbravar os segredos das Runas

Uma velha sábia me acompanha
e com ela sigo... venço as montanhas que que onipotentes se erguem a minha frente
Por vezes adoro o cajado por me dar suporte
noutras o adoro por como símbolo fálico que fertiliza e penetra a intimidade da Terra...

Fecho os meus olhos e vejo ele...
Adoro sua nudez quase pueril
quase fantasmagóriga de tão alva...

Admiro sua beleza e sofro suas dores mesmo sem querer
Por vezes teu homem, por vezes teu pai...
Agora que curei suas feridas
vislumbro sua imagem a se distanciar de mim...

Para mim amor é liberdade então...
mesmo que o mundo pareça estar de cabeça pra baixo
Vejo sua partida, vejo sua felicidade ao lado de outra pessoa
Vejo o despontar da Criança que espera ansiosa para nascer...

Por fim a Vida é hoje, não amanhã...
pois neste corpo, só se vive uma vez...
Adeus...

Cléber Otávio

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Campos da Solidão


Os pardais sobrevoam pelo vale da morte
porque os Lobos Caçam a cólera dos Deuses
inflamada pelos torpes erros dos antepassados...

Os Urubus navegam pelos vales
se alimentando dos restos mortais
das sacerdotisas negras de outrora...

Cavaleiros negros arrastam os corpos
de suas vitimas pelos campos do limbo...
e o Senhor da morte impõe sua espada
aos traidores...

A Magia arde a morte nos campos da solidão
e os pares de olhos castanhos se esvaíram
na ira das Fúrias, pois até o Soberano dos Deuses
se satisfez, com o Julgamento da Mãe Lua...

Alma Atlanti

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Elfos


Despontai das luzes que emanam do interior da Floresta...
Senhor dos Elfos...
Os mortos romperam os portais de Lotlórien
Mas se perderam entre arcos e flechas sagrados...
Eu vos espero no círculo dos iniciados, após transcender as chamas que clamo por perdão...
Lá o tempo inexiste porque...
Os olhos da Deusa vão além do tempo e do inimaginável infinito...

Cléber Otávio.

domingo, 29 de janeiro de 2017

Corpo

Se os corações pudessem falar
O que o seu diria ao meu?
Se em minhas mãos falassem
O que ela ter diria depois de tudo?
Não; não vou continuar com isso...
Pois se meus pés pudessem falar
Das estradas que percorri ao teu lado
E aonde fui parar...
Outras partes do corpo se calariam de vergonha...

Cléber Otávio.

A Abelha e o Girassol


A Abelha e o Girassol
Se eu fosse abelha é claro que eu pousaria em ti... Belo Girassol...
Hoje sou Girassol responde a flor, mas já fui uma estrela...
Surpresa a abelha curiosa exclamou: e como viraste Flor?
Há algum tempo atrás, eu era uma estrela, seguia a Mãe Lua, senhora de todas as estrelas, pela noite, mas sempre me atrasava pela manhã para ir embora, pois não conseguia parar de olhar a beleza e o brilho do Sol...
Mas a noite era a primeira estrela a despontar no céu, só para ficar admirando sua beleza...
E a Lua sempre me chamava a atenção, dizia que era um amor impossível, pois sempre que ele vinha eu tinha que sair e vice versa...
Mas não adiantava eu não conseguia parar de pensar no seu brilho...
Então um dia fui falar com o senhor dos ventos e ao chegar lá, ele já sabia o que eu queria, e antes de eu perguntar ele disse: é impossível estrelinha, a não ser que você deixe de ser estrela. Eu sem pensar eu disse que seja então...
Imediatamente um grande vento tomou conta do meu corpo celeste e eu cai muito rápido na terra...
Abrindo um buraco na terra e no fundo uma semente... que o senhor dos ventos mandou muita chuva e força então cresci linda e amarela, adormeço a noite mas pela manhã posso admirar o Sol desde o seu surgimento na Alvorada até sua Aurora Poente... e ele a mim...
A Abelha com os olhos transbordando lhe disse: que bom que agora és flor é de sua poetica beleza que nós abelhas produzimos mel... Então além do Sol e de suas irmãs flores tens agora nós...
Abelhas para lhe amar e cuidar...
Sem perder o Pai Sol de vista, o Girassol Adormece... pois o Sol...
Se foi...
Cleber Otávio.
( história inspirada/baseada na lenda do Girassol, do libro das Virtudes)

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Pangéia Funesta

O universo me pede silêncio
mas o único silêncio que cala minha alma
só acontece quando ouço tua voz...

O mundo que criamos, nossas plantas, avenidas
nossos corpos e a dimensão que construímos ficou abandonada
árida, seca...
Mas encontrou poesia nas profundezas da floresta...
renasceu das cinzas...

E tudo começou a ganhar cor de novo,
novas formas e o infinito acendeu nos teus olhos...
novamente...

Por vezes me escondo sozinho neste mundo, pois nem sempre estás lá...
por vezes cavalgo naquelas estradas, de olhos fechados, entregue.
Em caminhos que por vezes parecem não ter fim...

Acabo em explodir em êxtase sozinho mais uma vez,
em um mundo que não tenho como desconstruir sozinho...
Na esperança insana e inalcansável de viver neste mundo
Com alguém que seja real...

No fim O sentimento real, os desejos reais as palavras reais,
se perdem na trama social que vivemos
Uma Pangéia funesta que leva tudo e todos a morte espiritual...
Então entendo o Silêncio que o Universo me pede...

Cléber Otávio



sábado, 21 de janeiro de 2017

Estranho e Perigoso


Para e arranca entre sinais e avenidas longínquas em caixas com rodas, fechadas, protegendo os humanos deles mesmos, porque caminhar entre os iguais se tornou eatranho e perigoso...

Cachorros presos a coleiras como se fossem escravos, pois cães soltos são como pessoas soltas, naturais...
Mas o natural se tornou estranho e perigoso...
Pequenas caixas eletrônicas que alienam os seres pois falar olhando nos olhos, abraçar, sentir o cheiro das pessoas tounou-se estranho e perigoso..

E quando penso no que vamos nos tornando com o mau uso da tecnologia que dispomos, quando penso no grande avanço que temos sem bases, sem princípios espirituais que nos dêem um norte, vejo claramente que
Estranho e perigoso é o destino que estamos construindo...

Cléber Otávio.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Animal de Poder


Sua fera felina despertou na escuridão da noite...
Desbravou o breu sublime da floresta até se deparar com outra fera...
Seus comandos já não lhe diziam nada, seus instintos tomaram conta dele...
Sua fera...
Se interlaçou com a outra e juntas lhe mostraram que só a entrega aos instintos mais puros pode vencer os seus maiores medos...
Descobrira seu animal de poder...
Os felinos se atiraram nas águas escuras e profundas do inconsciente...
Lá o tempo não existe...
Quando voltaram suas mentes estavam velhas e a felicidade ardia no fogo de suas paixões que incendiava junto aos seus medos no mar em chamas...
Ao voltar...
Já não eram os mesmos...
O fogo os purificou e as aguas profundas acordaram os olhos da alma...
Enfim renasceram...

Cléber Otávio.



Maior Medo


Nosso maior medo não é o de sermos incapazes.
Nosso maior medo é descobrir que somos muito mais poderosos do que pensamos.
É nossa luz e não nossas trevas, aquilo que mais nos assusta.
Vivemos nos perguntando: quem sou eu, que me julgo tão insignificante, para aceitar o desafio de ser brilhante, sedutora, talentosa, fabulosa?
Na verdade, por que não?
Procurar ser medíocre não vai ajudar em nada o mundo ou os nossos filhos.
Não existe nenhum mérito em diminuir nossos talentos, apenas para que os outros não se sintam inseguros ao nosso lado.
Nascemos para manifestar a glória de Deus – que está em todos, e não apenas em alguns eleitos. Quando tentamos mostrar esta glória, inconscientemente damos permissão para que nossos amigos possam também manifestá-la.
Quanto mais livres formos, mais livres tornamos aqueles que nos cercam.

Marianne Williamson

sábado, 14 de janeiro de 2017

Psicodélico Devir


A Aurora rasga o horizonte enquanto o Sol se deita sobre o mar...
A consciência rasga a visão interna de si enquanto seu mestre lhe ensina a amar...

As chamas arderam e com ela a culpa que outrora os perturbou...
As águas lavaram o dialético sentir que os afastava de quem eles realmente são...
Mas afinal quem foi que disse o que sentimento tem certo ou errado?
Será preciso virar o mundo do avesso para poder entendê los...
Antes...

Agora o mundo que eles construíram era suficiente para sustentar os seus sonhos...
Um psicodélico devir os espera por trás dos olhos da Deusa...
Mais será revelado...

Cléber Otávio.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Perspectiva



"Nem sempre estar de cabeça pra baixo é ruim, às vezes é aventurar-se a olhar as coisas por uma outra Perspectiva...

Cléber Otávio.