domingo, 30 de outubro de 2016

Jamais Existirei de novo...


O tempo passou e nada parece ter mudado em minha aura....
O tempo passou e nada parece ter mudado em meu peito...
O tempo não passou em algum lugar,
mas apenas nós passamos...

Vejo o início, vejo o fim desta era,
Deste Sol que um dia irá se apagar para tudo ser escuridão novamente....

E quando tudo voltar pra escuridão, tudo recomeça...
Mais uma vez...
e então será que algum dia existiu?
Será que algum dia deixou de existir?

Sou imortal, pois na dimensão que meu espírito foi criado, não há tempo...
Então como universo nunca deixei de existir e jamais existirei de novo....

Cléber Otávio.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Não entre docilmente nessa noite escura ( tradução do texto original)


Não entres docilmente nesta noite serena,
Porque a velhice deveria arder e delirar no termo do dia;
No fim ainda que oa sábios aceitem as trevas,
Porque se esgotou o raio nas suas palavras.
Eles não entram docilmente nesta noite serena.
Homens bons que clamaram, ao passar a última onda, como podiam.
O brilho das suas frágeis ações ter dançado na baía verde.
Odiai, odiai a luz que começa a morrer.
E os loucos que colheram e cantaram o vôo do Sol e aprenderam muito tarde, como feriram no seu caminho, não entram docilmente nessa noite serena.
Junto da morte, homens graves que vedes com um olhar que cega.
Quando os olhos cegos fugiriam como meteroros e seriam alegres,
Odiai, odiai a luz que começa a morrer.
E de longe, meu pai, peço-te que nesta altura sombria venhas beijar ou amaldiçoar-me com tuas cruéis lágrimas.
Não entre docilmente nesta noite serena.
Odeia, odeia a luz que começa a morrer.

Dylan Thomas
(Tradução Fernando Guimarães)

Não entre docilmente... tradução do trecho recitado mo filme (Interestelar)



Não adentre a boa noite apenas com ternura
A velhice queima e clama ao raiar do dia...
fúria, fúria contra a luz que já não fulgura.

Embora os sábios no fim da vida saibam que é a escuridão que perdura,
porque suas palavras não capturaram a centelha tardia...

Não adentre a boa noite apenas com ternura...
fúria, fúria contra a luz que já não fulgura....

Dylan Thomas

"Poesia recitada do filme Interestelar"

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Poemas Tímidos


Hoje acordei sentindo sua presença em mim...

Meus lençóis estavam vazios...
nele reinam apenas a terna lembrança dos teus olhos fixados nos meus...

Mas tenho medo...
De não saber sair dos teus Abraços...
De mergulhar em teus olhos e neles me perder...
Tenho medo de chegar ao seu coração e percorrer como sangue teu corpo e não saber voltar a mim...
Não saber voltar...

Mas gosto de pensar nisso...
nos nossos labios se tocando e nossos corpos se fundindo como se fossemos um só corpo...
Um coração apenas feito de poesia...
Feito do amor mais puro que o criador pôde compor em um momento de inspiração...

Talvez tudo isso não deixe de ser uma sombra aqui descrita do meu sentir...
Mas ainda assim gosto de pensar como seria...
Por fim tenho saudade do teu cheiro que alimenta poemas tímidos como este...

Cléber Otávio.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Pangéia Obscura



O céu silencia e chuva cessam por alguns instantes...
O fogo dos céus é libertado para fazer justiça...
calar as bocas que muito falam
lavar de sangue o esteio das almas para assim alimenta-las...

Quem o mal fez com ele ficará...
Com ele dormirá e na sua dor definhará
esperando a morte chegar...

Quando a morte chegar a liberdade será um sonho
A felicidade uma sombra distante
A esperança um pesadelo que nada pode tocar...

A justiça ainda assim não cessará...
pois o mundo só curará essas dores
quando sua alma se perder na escuridão...
Na Pangéia obscura de onde tudo vem...
Para onde tudo um dia voltará...

Então o tempo terá feito a maldade nunca existir
e um mundo sem dores Renascerá...

Cléber Otávio

domingo, 16 de outubro de 2016

Oceania



A um suspiro de distância da mãe oceania
Seus pés ágeis deixam impressões
Em minhas areias
Você fez o bem para você
Desde que você deixou meu abraço molhado
E rastejou à praia
Todo menino, é uma cobra é um lírio
Toda pérola é um lince
É uma menina
Como doce harmonia feita em carne
Vocês dançam junto a mim
Crianças sublimes
Você me mostra continentes
- Eu vejo ilhas
Você conta os séculos
- Eu pisco meus olhos
Falcões e pardais correm em minhas águas
Raias estão flutuando
Pelo céu
Pequenos - meus filhos e minhas filhas
Seu suor é salgado
E eu sou o motivo

Björk

https://m.youtube.com/watch?v=Fzbapsq4qCI

sábado, 8 de outubro de 2016

Bissexualidade... ou sexualidade?


Bissexualidade ou simplesmente sexualidade?
Quantos de nós já mos pegamos desejando pessoas de gênero igual quando nos intitulamos Heterossexuais ou nos pegamos sentindo desejo e até paixão por alguém do sexo oposto quando nos intitulamos gays...
Fase???
Quantos conhecem a intimidade no calor incontrolável de algum parente sanguíneo...
Porque???
Na verdade nas línguas antigas e nas civilizações antes da idade média não havia restrições no que tange a sexualidade.
Não haviam palavras como gay, hetero ou bissexual. Havia apenas sexualidade. A culpa pelo sentimento e desejo sexual foi produzido primeiramente pela igreja ao se tornar parte do antigo império romano... pois era necessários homens para a guerra...
E depois a tirania dos homens usando o nome de Deus comandando igrejas Católicas e depois evangélicas produzem todos os dias o pânico e a culpa no ser humano pelo que sente, pelo que deseja fazendo-nos trair a nossa natureza todos os dias...
A Natureza linda e terna que Deus nos deu ao nos criar... e assim a partir de conceitos burros que insistimos em não mudar nos separamos por gênero, por cor, por crenças e por origem...

Estamos involuindo e todo aquele que teima em comportar-se de forma natural, ou seja como Deus nos fez... Nós o julgamos, o maltratamos,o matamos socialmente e as vezes fisicamente...

Por fim talvez sejamos todos Naturalmente Bissexuais, somos todos naturalmente humanos , quando não estamos condicionados a contrariar nossa natureza desde a barriga...
Um convite a pensar, um convite a mudar nossa postura estúpida...
Pensemos e comecemos a mudar...

Cléber Otávio

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Tocar o Intangível...



Há uma torre de Pedras que perfuma seu lar...
Seua braços são grandes, seu coração ainda maior...
Ele abraça cães morimbundos, irmãos perdidos, irmãos que carregam batalhas perdidas e em seu ombro lamentam o pesar que os assola...
Sua casa transpira aconchego e esperança, seu quintal é composto pelo horizonte mais lindo do mundo : Niterói /Rj.
Seu coração se contorce em seu peito e seu rosto sério tenta esconder suas preocupações, mas logo o seu sorriso denuncia a grandeza de sua alma...
Jerry São apenas alguns amigos que tem o poder de tocar o Intangível em mim...
Minha alma...
obrigado por tudo!!!

Cléber Otávio

domingo, 2 de outubro de 2016

Pelos Olhos...


Pelas Janelas do grande pássaro, vejo as nuvens...
poderia dizer apenas nuvens, mas não...
O que vejo é que meu limite vai muito além do céu que vislumbro quando lá embaixo estou...

Pelas janelas dos meus olhos vejo esperança, mas não apenas o sinal de uma estrela vespertina, mas a esperança como alimento da fé transformadora que me move...

Pelos olhos de meus filhos ora vejo medo, ora vejo distância ora vejo o reflexo do que fui...
Pelos olhos de meus pais ora vejo tensão ora vejo temperança,
O que reflete o que posso ou não me tornar...
O que é certo é que quando enxergo o espelho das almas pelos olhos da Deusa... sempre me reconheço, pois já não me perco mais de mim...

Cléber Otávio.