domingo, 17 de janeiro de 2010

O Ser humano

"O Homem é um ser Comunicativo, e uma vez reprimido torna-se um monstro..."

Jurgen Habermas

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Saudades

Saudade

Saudade é solidão acompanhada,
é quando o amor ainda não foi embora,
mas o amado já...

Saudade é amar um passado que ainda não passou,
é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida...

Saudade é sentir que existe o que não existe mais...

Saudade é o inferno dos que perderam,
é a dor dos que ficaram para trás,
é o gosto de morte na boca dos que continuam...

Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou.

E esse é o maior dos sofrimentos:
não ter por quem sentir saudades,
passar pela vida e não viver.

O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido.

Pablo Neruda

Repressores da pátria...

Ora quem és tu? Quem pensas que és?
Que coragem! Reprimir-me? Para que? Para que eu não seja mais eu mesmo? E qual o problema comigo? Não sou diferente de ninguém! Apenas sou eu mesmo… acredito em sanidade, em lucidez! Não posso viver fingindo, não posso viver uma vida de aparência como tu! Não posso! Não posso me perder de mim, sua repressão no fundo é inveja de quem goza a vida plenamente! Tua postura desonra a raça humana... Desonra tantas vidas que foram perdidas na busca pela liberdade de expressão, liberdade de ser o que se é!
Que pena! Todo esse sentimento negado, todos esses desejos negados, te transformaram num eterno insatisfeito. Confundir adequação com submissão é falta de personalidade… Espero não estar sendo apegado demais ao que penso e sinto, não quero ser egocêntrico como és…
Seu recalque fez criar dentro de ti um monstro, que pensa que pode tudo por que és socialmente bem aceito… Mas esse monstro não cala, não para, e de repente um dia na escuridão da noite a ilusão do álcool, a doce ilusão das drogas te liberta o monstro, que vergonha, acordas nu, e entre vibradores e pessoas ainda ávidas por fugir de si mesmas, pessoas que são como mortos vivos, são zumbis, sange-sugas que já morreram, mas não sabem... agora és um deles... então tu se desespera… o monstro criou vida própria, já não há mais controle… Como preferes a morte a ser tu mesmo… no breu da noite fria e úmida acordas em uma vala sangrenta, na sargeta que tanto desprezava… Adeus! Pois para mim já estás morto há muito tempo… Adeus! Meu luto de tua morte vai ser viver a vida cada vez mais e melhor... Adeus!
Cleber Otavio.

Abandono...

Quando somos abandonados pelo mundo, a solidão é superável; quando somos abandonados por nós mesmos, a solidão é quase incurável.

Leandro…

O Tempo

O tempo é muito lento para os que esperam
Muito rápido para os que tem medo
Muito longo para os que lamentam
Muito curto para os que festejam
Mas, para os que amam, o tempo é eterno.


William Shakespeare

Orgânico e Eletrônico

Orgânicamente tocas, eletrônicamente te sinto. O Som orgânico das melódicas cordas do violão me fazem viajar, me fazem tocar as nuvens e o infinito céu azul…
Aqui dançando entre samplers e batidas eletrônicas, sou inundado por meus pensamentos, que mesmo que eu não queira levam a ti… Olho pró céu e os meus olhos brilham o reflexo da Lua cheia. Peço a ela que brilhe o meu olhar a ti e dessa forma chego ao teu coração…
Entre batidas eletrônicas e as cordas orgânicas do violão te desejo…
Minha alma clama por ti, me inebrio com a tua presença e já não sei o que dizer…
Meu pensamento se esvai e só me restam os sonhos… nos sonhos te encontro e nele somos o que queremos ser. Nossos pensamentos se unem, nossos lábios se tocam e nossos corpos tornam-se apenas um…

Cleber Otavio.